sábado, 16 de fevereiro de 2013

O que são meteoros?

São asteróides ou cometas que andam no espaço e entram em rota de colisão com a Terra. Os asteróides são provenientes da cintura de asteróides que existe entre Marte e Júpiter, onde há milhares.
Quando um destes objectos, por um choque ou por uma alteração gravitacional, sai desta cintura e se dirige para o centro do Sistema Solar, passa a ser um objecto Apolo que pode embater na Terra. Os cometas são mais raros e vêm normalmente da cintura de objectos que existe depois de Neptuno. São compostos por gelo que se evapora quando os cometas se aproximam do Sol, produzindo uma cauda.


Quais as diferenças entre meteoro e meteorito?


O meteoro é quando o objecto entra na atmosfera terrestre e cai. À medida que atravessa a atmosfera, o atrito e as altas temperaturas vão-no desintegrando. Os pedaços deste meteoro que atingem o chão chamam-se meteoritos.

O meteoro que caiu na Rússia está relacionado com o asteróide 2012 DA14?

Não. Todas as instituições científicas, desde a NASA até à Agência Espacial Europeia (ESA), passando por astrónomos portugueses, disseram ontem que o pedregulho que caiu na Rússia não está relacionado com o asteróide DA14. Este asteróide, descoberto em 2012 por um observatório espanhol, foi seguido com atenção. Tinha uma rota estável que se aproximou da Terra pelo sul. Ontem atingiu a sua aproximação máxima da Terra, de 27.600 quilómetros. O meteoro que caiu na Rússia vinha noutra direcção. Foi, por isso, uma coincidência. Mas mostra a actividade que existe no nosso Sistema Solar.


É possível detectar todos os meteoros que nos rodeiam?


Neste momento não há meios para a detecção de todos os meteoros que interceptam a órbita da Terra. Apesar de existirem vários programas de rastreio dos chamados objectos próximos da terra, não há capacidade de encontrar e seguir todos os objectos que viajam à nossa volta. O acontecimento de ontem é uma constatação dessa limitação. Conhece-se a maioria destes objectos com mais de um quilómetro de diâmetro, há um esforço para se detectarem asteróides com uma grande capacidade destrutiva, capazes de produzir fenómenos de extinção em massa se embaterem na Terra. Mas à medida que o tamanho dos asteróides vai diminuindo e o seu número aumentando, o desconhecimento é maior.


É possível evitar embates de meteoros?


Nunca se tentou desviar a trajectória de um asteróide, até porque não se conhece nenhum objecto que vá colidir com a Terra. Mas existem cientistas a pensar nestas possibilidades. Uma hipótese é utilizar, para objectos maiores, pequenos satélites que com a pequena força de gravidade, que exercem ao longo de décadas, desviem um grande asteróide centímetro a centímetro e alterem a sua rota.

Fronteiras da Ciência

Google+ Followers